sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Os Faraós Negros



O Egito foi, ao longo de sua história, alvo de diferentes processos de unificação e invasão. Ao contrário do que usualmente estudamos, essas invasões ocorreram durante outros momentos anteriores à dominação dos romanos no século I ou das nações européias no século XIX. Dessa maneira, as crises e hegemonias no interior da civilização egípcia é um assunto ainda pouco explorado pelos estudos historiográficos.

Na região sul do Rio Nilo, atual Sudão, um antigo império se formou no período em que o Egito vivia um período de decadência no Médio Império. Entre os séculos XVIII e XVI a.C., os núbios realizaram a expansão de suas fronteiras na região do extremo sul do Rio Nilo. O Egito, que dependia da exploração de zonas de exploração aurífera próximas ao Império Núbio, sentiam que a ascensão de um vizinho tão poderoso poderia vir a ameaçar a integridade de seus territórios.

Dessa forma, entre os séculos XVI e XIII a.C., o Egito realizou um processo de invasão e domínio sobre os núbios. Sem adotar uma política muito opressiva, os egípcios trouxeram à civilização núbia vários de seus costumes e hábitos. O que parecia ser um claro processo de aculturação dos egípcios sobre os núbios, veio mais tarde garantir a preservação de traços importantes da civilização egípcia. No final do século VIII a.C., o Egito estava politicamente fragmentado e sofria o controle dos chefes guerreiros líbios.

Em 770 a.C., Piye, rei da Núbia, empreendeu uma investida militar que reunificaria politicamente o Egito. Partindo com tropas para o norte, o exército núbio chegou à cidade egípcia de Tebas, capital do Alto Egito.




No fim de uma campanha de um ano, todos os chefes guerreiros do Egito haviam capitulado - incluindo Tefnakht, o líder do delta, que enviou uma mensagem a Piye: "Seja clemente! Não posso contemplar o teu semblante nos dias de vergonha nem me erguer diante de tua chama, pois temo a tua grandeza". Em troca da própria vida, os derrotados conclamaram Piye a adorar em seus templos, a ficar com suas jóias mais refulgentes e a apoderar-se de seus bons cavalos.

O conquistador não se fez de rogado. E então, diante de seus vassalos que tremiam de medo, o recém-sagrado Senhor das Duas Terras fez algo extraordinário: após embarcar seu exército e seu butim, içou velas rumo ao sul, navegou de volta para casa, na Núbia, e jamais voltou ao Egito.

Piye tornou-se o primeiro faraó negro do Egito. A ascensão de faraós negros no Egito trouxe à tona a supremacia de uma civilização africana que questionava as idéias dos pensadores e historiadores do século XIX, que colocavam os povos africanos enquanto sinônimo de atraso.

No ano de 715 a.C., Piye faleceu, deixando o trono sob o domínio de seu irmão Shabaka. Ascendendo ao poder, Shabaka assumiu o nome de faraó Pepi II. Entre suas principais ações, Pepi II empreendeu um notório conjunto de obras públicas. A cidade de Tebas, capital do Egito, e o templo de Luxor ganharam novos projetos. Em Karnak, ordenou a construção de uma estátua em sua homenagem e tratou de construir diques que impedissem a inundação das casas das populações que viviam às margens do Rio Nilo.

Em 701 a.C., quando as tropas assírias marcharam sobre a Judéia, no atual território de Israel, os núbios decidiram conter aquele avanço. Preocupados com o avanço do Império Assírio, que na época viviam a ampliação de seus domínios, os núbios formaram um exército que deveria conter a dominação assíria sobre as cidades de Eltekeh e Jerusalém.

Os dois exércitos chocaram-se na cidade de Eltekeh. E, embora o imperador assírio, Senaqueribe, tivesse se vangloriado da vitória, um jovem príncipe núbio Taharqa, com cerca de 20 anos, filho do faraó Piye, sobreviveu. O fato de que os assírios, que costumavam não poupar nenhum de seus inimigos, terem deixado escapar o príncipe indica que talvez a vitória não tenha sido total.

Seja como for, quando os assírios deixaram Eltekeh e se concentraram diante das portas de Jerusalém, o líder da cidade, Ezequias, contava com a ajuda de seus aliados egípcios. Cientes disso, os assírios não puderam conter a provocação, imortalizada no Livro II de Reis, do Antigo Testamento: "Confias no apoio do Egito, esse caniço quebrado, que penetra e fura a mão de quem nele se apóia; pois não passa disso o Faraó, rei do Egito, para todos os que nele confiam" (18:21).

Em seguida, de acordo com a Bíblia, ocorreu um milagre: as tropas assírias recuaram. Teriam sido assoladas por alguma peste? Ou, como sugere Henry Aubin em um livro polêmico, The Rescue of Jerusalem ("O resgate de Jerusalém"), os assírios se afastaram ao ter conhecimento de que o mencionado príncipe núbio avançava sobre Jerusalém? Tudo o que sabemos é que Senaqueribe desistiu do cerco e retornou em desgraça a seu reino, onde seria assassinado 18 anos depois, aparentemente pelos próprios filhos.

Segundo alguns historiadores, graças à contribuição militar núbia, a civilização judaica usufruiu de um longo período em que consolidou suas principais tradições culturais e religiosas.


Rei Núbio Taharqa.

Em 690, Taharqa foi alçado ao trono em Mênfis e liderou os impérios do Egito e da Núbia nos 26 anos seguintes. Taharqa ascendera em momento favorável à 25ª dinastia. Em seu governo, as vitórias militares garantiram grande estabilidade aos territórios egípcios. Os chefes guerreiros do delta haviam sido subjugados. Os assírios, após o humilhante confronto em Jerusalém, não queriam ter nada a ver com o soberano núbio. O Egito era dele e de ninguém mais. Além disso, uma seqüência de generosos períodos de chuva deu tranqüilidade a toda população por ele controlada.

Durante o sexto ano em que estava no poder, o Nilo encheu-se com as chuvas, transbordando pelas várzeas circundantes e proporcionando espetacular colheita de cereais. A cheia conseguiu até mesmo acabar com os ratos e as serpentes. Não havia a menor dúvida de que o adorado Amon sorria para seu eleito.


Colar Núbio feito de ouro. Está
inscrito com hieróglifos egípcios.

Aproveitando do período de prosperidade, Taharqa lançou o mais ousado programa de obras civis jamais iniciado por nenhum faraó desde o Novo Império (por volta de 1500 a.C.). As capitais sagradas de Tebas e Napata foram os alvos principais da atenção de Taharqa. Hoje, em meio aos restos confusos do complexo de Karnak, perto de Tebas, vê-se uma coluna solitária com 19 metros de altura. Havia dez desses pilares, formando um pavilhão que o faraó núbio adicionou ao templo de Amon. Ele também mandou construir várias capelas ao redor do templo e erigiu estátuas de si mesmo e de sua amada mãe, Abar. Sem desfigurar nem um único monumento preexistente, Taharqa deixou sua marca em Tebas.


Em Jebel Barkal, Taharqa construiu dois templos aos pés do monte.

Ele fez o mesmo centenas de quilômetros rio acima, na cidade núbia de Napata. O monte sagrado Jebel Barkal havia cativado até mesmo os faraós egípcios do Novo Império, que consideravam o local como a terra natal de Amon. Apresentando-se como herdeiro dos faraós do Novo Império, Taharqa construiu dois templos no sopé do morro, em honra da divina consorte de Amon. No pináculo de Jebel Barkal - recoberto em parte com folhas de ouro -, o faraó negro ordenou que fosse inscrito seu nome.

Durante seu governo, os assírios afrontaram mais uma vez a dinastia núbia. Sobre o comando do rei Esarhaddon, os assírios tentaram obstruir o entreposto comercial egípcio às margens do Líbano.

No litoral do Líbano, os mercadores de madeira vinham alimentando o apetite arquitetônico de Taharqa com suprimento de zimbro e cedro. Quando Esarhaddon, o rei da Assíria, tentou fechar essa artéria comercial, Taharqa enviou tropas para reforçar um levante contra os assírios. Confiante na prosperidade de seu reino e na força de seus exércitos, Taharqa enviou tropas incumbidas de aniquilar a ação militar assíria. Oferecendo grande resistência, os assírios venceram a batalha e invadiram o Egito, em 674 a.C.. Mas o exército de Taharqa conseguiu expulsar os assírios.


Detalhe de uma parede do palácio assírio em Nimrud,
mostrando o ataque assírio a uma cidade egípcia cerca
de 667 aC.. Tropas Núbias e seus funcionários sendo
levados cativos. Palácio assírio em Nimrud, no Iraque.

Outros estados rebeldes na orla do Mediterrâneo se colocaram ao lado do faraó núbio e formaram uma aliança contra Esarhaddon. Em 671 a.C., os assírios avançaram com seus camelos pelo deserto do Sinai a fim de sufocar a rebelião. E logo tiveram êxito. Esarhaddon ordenou que suas tropas seguissem em direção ao delta do Nilo.

Taharqa e seus homens enfrentaram os assírios. Durante 15 dias travaram batalhas campais sanguinolentas. Mas os núbios se viram forçados a recuar até Mênfis. Ferido cinco vezes, Taharqa escapou com vida e abandonou Mênfis. Seguindo a tradição assíria, Esarhaddon massacrou os moradores e "erigiu montes com suas cabeças". E encomendou uma estela mostrando o filho de Taharqa, Ushankhuru, ajoelhado diante do assírio com uma corda em torno do pescoço.

Taharqa terminou vivendo mais que o vitorioso Esarhaddon. Em 669 a.C., este morreu quando se dirigia ao Egito, depois de saber que o núbio retomara Mênfis. Comandados por novo soberano, os assírios voltaram a investir contra a cidade, dessa vez com um exército reforçado por tropas rebeldes cativas. Taharqa não tinha como vencer. Acabou voltando para o sul, refugiando-se em Napata e jamais pisando de novo no Egito. Morreu em 664 a.C. e seu corpo foi enterrado em uma pirâmide em Nuri, às margens do rio Nilo.


Vista do interior da tumba do rei Tanutaman
(664-653 a.C.). Um belo retrato do rei, com pele
morena escura, aparece na parede, El-Kurru, Sudão.

No reinado de Tanutaman (664-653 a.C.), que governou o Egito por apenas um ano ou dois antes que os assírios invadiram novamente. O exército assírio derrotou as forças Núbias e Egipcías e Tanutaman teve de fugir para a Núbia. Os assírios, em seguida, marcharam para o sul para a cidade sagrada de Tebas. Eles mataram o povo e saquearam os templos, levando os tesouros para sua capital Nínive.

Com o fim dessa dinastia, a cultura egípcia ainda preservou características provenientes do contato com esse reino africano.

Fontes: História do Mundo / Dignubia.org / Passeiweb.com

41 comentários:

  1. Parabéns, gostei do conteudo.
    Continuem contando a história das civilizações africanas.
    dá pra vocês falarem daquela hiostória que os negus(imperadores) da Eti´[opia diziam que eram descendentes do rei salomão?
    Aí eu vi que falou uma coisa assim, mais foi pouco.
    obrigado

    ResponderExcluir
  2. Parabéns por esta iniciativa,é preciso divulgar e dar mais importância a este assunto.É uma vergonha mundial o assunto não ser falado e estudado nas escolas,principalmente nos livros de história no Brasil.
    Os estudantes são enganados nas escolas brasileiras,aprendem que o Negro só tomava chibatadas e que sempre foi uma raça que naceu só p/ servir.
    A mídia em geral também tem muita culpa no cartório.
    A todos os NEGROS,muita força e fé,vamos chegar lá.
    OBRIGADO PELA A ATENÇÃO.

    ResponderExcluir
  3. foi importante mostra que o povo do egito era negros ja que a maioria do livros didaticos não falam da verdadeira etnia do egito antigo

    Prof. andré cabral -hitória

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente o eurocentrismo e o racismo contra o negro , boicotam a real g4andeza e importância do negro na história.

      Excluir
  4. Gostei muito do texto e da informações.
    Parabéns!
    Estava pesquisando sobre isto e é muito difícil encontrar. Sua matéria será muito útil no projeto anual que estou elaborando. Com certeza não deixarei de recomendar seu blog. Obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Amigo, você está enganado, Piye não foi o primeiro faraó negro do egito, pois os egípcios da antiguidade eram negros, como um negro núbio pode ser o 1° faraó em uma outra terra de negros como o egito?, esse povo que habita o egito hoje, nada tem haver com os antigos egípcios, assim como os antigos índios americanos nada tem haver com os estados unidos hoje,o nome não era egito e sim kemet( que significa terra dos negros), o que você faz parecer é que os núbios aprenderam tudo com os egípcios que não eram negros segundo seu texto, pra mim essa é uma forma de negar a influencia africana. aquela região na antiguidade se chamava Etiópia( os de pele escura), aquela região era totalmente habitada por povos negros, vou citar alguns aqui:
    sumérios: grande civilização negra da antiguidade.
    hebreus: não estou falando dos judeus israelense de hoje, pois esses são alemães ou russos( se quizerem pesquisem os judeus Edomitas e KHAZARS) e também nada tem haver com os antigos hebreus da bíblia.
    cretences e gregos: essas duas eram civilizações negras, o mesmo povo que é narrado na Illiada e Odisséia, o mesmo que invadiu tróia, foram invadido por barbaros( brancos) lá pelo ano 1500 A.C que se apropriaram de sua cultura e história, será por que que existe uma tal de idade das trevas na história grega? e por que não conseguem explicar os fatos anteriores a 700 A.C ? Atenas e tebas foram fundadas por negros.
    a maioria das grandes civilizações da antiguidade eram povos de pele escura, se você olhar a historia oficial( história escrita pelos homem branco) você vai ver que geralmente ela inventa e mascara fatos, pois não querem divulgar a verdade. O povo negro Reinava no mundo na antiguidade, os brancos tinham uma cultura primitiva e até pouco tempo atrás ainda viviam em cavernas na europa,se você analizar a historia dos povos brancos, vai ver que há muita falsificação e a história oficial não sabe explicar certos fatos, antes da expansão do império romano( povo branco que foram civilizados por um povo de pele escura que lhes ensinaram basicamente tudo, chamado estrusco que habitavam a italia) a maioria dos povos brancos europeus viviam em um estado bastante primitivo, é só lembrar que na idade media portugal e espanha( os mesmos que fizeram a "descoberta do novo mundo") eram colônia dos mouros( negros islâmicos),há cerca de 700 anos atrás negros viviam na europa como reis, tem muito castelo europeu com figuras de reis negros sendo invadidos por barbaros( essa historia eles tentam esconder a todo custo, dizem que eram escravos, mas nunca vir escravo usar coroa.) é só dar uma olhada nos artefatos historicos que dar pra perceber, a maioria dos que revelam a verdadeira historia está escondido a 7 chaves, mas mesmo assim nos poucos verdadeiros que são liberado ao publico ainda dar pra perceber q essa historia oficial não bate com a realidade, pois hoje nós negros somos escravo e tratados como inferiores, pra historia oficial mostrar um povo hoje "inferior" dominando brancos e civilizando.... imagino que isso não vai ser bom para a pregação de superioridade branca né?

    Uma curiosidade que acho que pouca gente saiba:
    os Olmecas( um povo indigina da America central) uma das civilização base de todas as outras da mesoamerica, e adivinhem só que cor eles eram? isso mesmo negros(procurem os achados arqueológicos desse povo e vocês verão uma grande semelhança entre eles e os negros africanos) vejam a semelhança entre as pirâmides da America e do egito, os negros trouxeram civilização aos indiginas, diferente dos Brancos que os exterminaram.... isso é pra refletirem.
    o que pouca gente sabe é que a America na antiguidade era habitada por negros, todos esses imperios americanos tiveram influencia negra.

    espero que você publique meu comentário, pois estou expondo um pouco da verdade desse mundo tão falso e mentiroso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns e conte comigo. Ogipcios nativos eram negros. Por outro lado, não considero o atual Egito branco. São no máximo morenos e negros de cabelo liso.

      Excluir
  6. quem quizer saber um pouco mais sobre os verdadeiros hebreus e civilizações africanas, recomendo os seguinte blog:
    http://cnncba.blogspot.com/search/label/Civiliza%C3%A7%C3%B5es%20Africanas

    ResponderExcluir
  7. Narmer unificador do Egito,era negro e núbio...Seu blog é bom mas nesta você errou,isto que dá quando se pega um arquivo feito por Zahi Hawass,vendo Massoulerd da Universidade de Paris,é conclusivel que o elemento negroide foi predominante e presente desde o inicio,muito antes da tal Dinastia Pyre,eram negros africanos indígenas.

    ResponderExcluir
  8. Adorei! Seu Blog será divulgado em minha Fan Page no Facebook... Essência Negra!
    Estou aprendendo muito com suas postagens!
    Beijocas.

    ResponderExcluir
  9. Muita verdade está escondida. mas será bom para determinarmos em que contexto se enquadram os antigos egipcios, considerarmos o que o passado nos diz e o que está presente. E nisso tenho em mente o seguinte: Cleopatra a mais conhecida rainha egipcia e tambem as pinturas que se nos apresentam de mulheres egipcias antigas, sao apresentados com uma indumentaria peculiar muito parecida ao que as mulheres africanas da actualidade apresentam não nas cidades, mas refiro-me ao das aldeias aqui em Angola chamamos "quimbos" as imagens de Cleopatra, Nefertite aparecem sempre com uma coroa diferente das coroas comuns e até salientar que uma membro deste site usa um lenço amarrado numa forma semelhante na sua foto aqui no site, que é muito parecida mesmo com alguns acessorios que em muitos quimbos isto é, faz parte da indumentaria das mulheres de muitos grupos puramente africanos.As sul africanas, moçambicanas, as "massais" no Kenya e Tanzania nos seus trajes tipicos, tradicionais usam muito este acessorio e isto me faz perguntar: será este facto mera coincidencia?
    nas ruas de Luanda, Lubango, Namibe, Benguela e Lobito a titulo de exemplo, ve-se as mucubais e as mumuilas e usam colares de metal dourado que cobrem quase todo pescoço tal e qual as imagens das rainhas egipcias. pergunto mais uma vez: será mera coicidencia? os olhos grossos, os labios carnudos como aparecem nas estatuas do egito antigo é caracteristica dos africanos. as pinturas de seres humanos dos egipcios é sempre pintado a negro porquê? porque motivo -como se faz crer- os egipcios sendo semiticos ou mesmo indo-europeus pintariam a negro as suas representações de humanos? não estão representados como neve os deuses e herois da grecia? seja dificil para a ciencia afirmar-se com precisão o tipo fisico dos antigos egipcios, não devemos negar que são camiticos e se pensa-se que Noé era branco e o seu flho Cã era branco mas sim a sua esposa era negra, Mizraim descrito na Biblia como antepassado de algumas (não todas) tribos do antigo egito, é mencionado em segundo lugar nos filhos de Cã, é impossivel que não seja pelo menos de tez escura e não seria exagero nenhum dizer que ele era negro pois aceitamos Brack Obama como negro. por outra não nos esqueçamos das formas de religião do antigo Egito que era muito baseado na mística e até agora o feitiço nas tribos africanas só é legitima quando é praticada por sacerdotes por deliberação antigamente de reis e atualmente por chefes tribais ou clanicos.
    na realidade é que é uma grande falta respeito aos feitos egipcios antigos colocarem por exemplo Elizabeth Taylor a fazer papel de Cleopatra ou ainda com as provas claras sobre a provavel tipicidade dos antigos egipcios produzirem aquele filme "múmia" como se os egípcios antigos fossem provinientes do Paquistão.E mais grave é que estas pessoas se digam cristãs ou mesmo muçulmanas. Mas não deve nos admirar pois que as imagem de Cristo no cristianismo tipico ocidental ja aparece loiro e com olhos bastante claros parece mais um sweco do que um judeu de Belém que viveu na Galileia.
    Acerca disto há muito para falar, mas quem sabe todas duvidas acabem quando os próprios africanos acederem aos escritos hieroglíficos e meroiticos? brigado. afonso macumbi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato os negros africanos são descendentes do filho mais novo de Noé , Cam ,os filhos de Cam eram,Cusi,Misraim,Pute e Canaã .Portanto a esposa do hebreu Moises era cusita, negra africana .

      Excluir
  10. Os egípcios eram e ainda são mestiços. Descendem dos povos da savana do Saara (hoje, um deserto) e dos caucasianos do oriente que viviam nas margens do Rio nilo. Como todo povo miscigenado, o fenótipo era diversificado, e não havia um padrão de burguesia. A própria reconstituição da face de tutankamon demonstra traços negroides (como o cabelo, nariz, lábios e crânios), mas uma cor de pele inerente a qualquer povo negroide.

    Não deve-se confundir caucasoides com negroides. Os caucasoides podem ter pele morena e branca. Grande parte da população do norte da Africa é caucasoide de pele morena, assim como os khalijis, que habitam o golfo pérsico. Mas o ponto de vista político do ocidente se refere a brancos apenas aqueles de pele branca provenientes da Europa Ocidental e Oriental. O que não é argumento para classificar caucasoides que podem ter pele de cor semelhante ao dos negros miscigenados como negroides.

    Enfim, muito bom texto, gostei de ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou negro de nariz e labios finos. Muitas pessoas falam que se havesse reencarnação eu teria sido o faraó. Observação: sou negro.

      Excluir
    2. Os antigos egípcios eram Negros na antiguidade e no presente são mestiços enegros.;-)

      Excluir
  11. Muito bom mesmo o teu blog, Valter! Mas uma vez a arqueologia mostra: o Egito era um reino de negros! Alguém deveria ter avisado a Elisabeth Taylor desse fato. A História quer apagar as grandes realizações dos povos africanos, felizmente algumas pessoas ainda se habilitam a pesquisar, divulgar e conhecer esse lado que a nossa história eurocêntrica não mostra. Engraçado uma vez, no Ensino Médio, que eu discuti na aula, falando que os faraós do Egito eram negros e que nossa história racista transformou o Egito um reino de pessoas brancas na África (!) e meu professor e meus colegas riram de mim!

    Enfim, muito bom mesmo o teu blog, divulgarei com pessoas que eu sei que se interessam. Ah, tu deverias citar as fontes também.

    ResponderExcluir
  12. concordo com vcs: todo mundo era negro, menos michael jackson...

    ResponderExcluir
  13. HAHAHAHAHAHA EGITO NEGRO? A PROPRIA CLEOPATRA ERA FILHA DE GREGOS, O SR. DADO MACAPÁ QUER SE CONVENCER DE ALGO QUE NAO EXISTE, KKKKK O FARAÓ RAMSES ERA LOIRO, A PROPRIA MUUMIA CONSERVA FIOS DE CABELO, NAO ME VENHAM COM ESSA MENTIRA DESLAVADA, OS NEGROS NAO CONSTRUIRAM NADA EM 6 MIL ANOS DE HISTORIA, ABSOLUTAMENTE NADA, MUITO PELO CONTRARIO, AONDE CHEGARAM , LEVARAM O LUGAR A DECADENCIA! RODÉSIA, AFRICA DO SUL, HAITI, NAO FALTAM EXEMPLOS! ACORDEM PARA ESSA MENTIRA! OS NEGROS SEQUER INVENTARAM UMA LINGUA ESCRITA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkk os labios grossos da imagem, e pele morena escura é exclusividade de europeus não é meu caro UNKNOWN conseguiram até forjá um DNA de uma mumia de negro pra dizer que é branco

      Excluir
    2. Meu Caro Unknow, Estudar nao faz mal a ninguem, volta pra escola conclui ao menos a primaria e conheceras melhor a historia da humanidade. Cleopatra era negra e a propria Grecia era terra de negros antes a invasao dos barbaros europeu. Nao promovo nem defendo supermancia racial, minha causa e a humanidade. Conheca a verdade e ele te libertara.

      Excluir
    3. Nubia, Gana, Mali, Abssinia, Songai, Mutapa... Os povos africanos so perderam força da idade moderna em diante. A china se reergueu depois de seculos. Quem sabe chega um dia a hora da Africa se reestabelecer como potencia.

      Excluir
    4. Unknow. Parabéns por seu conhecimento. Chega a ser surrealista de tanto bizarrismo. O negro e pai da Medicina, Matemática,Física e outras coisinhas mais. Guarde sua ignorância pra VC. Salamu

      Excluir
    5. cleopatra estao mostrando pesquisas que em todos estudos corretos demostra .o amigo vai falar de uma personagem narrada pelos romanos

      Excluir
    6. Unknown vai estudar aceita que dói menos

      Excluir
  14. http://evolutionproof.wordpress.com/

    A RAÇA NEGRA NAO CONSTRUIU NADA! ABSOLUTAMENTE NADA! É POR ISSO QUE QUANDO VAMOS FAZER TURISMO VAMOS A EUROPA EM BUSCA DE HISTORIA POIS NA AFRICA NAO HÁ NADA! ANTES QUE DIGAM Q O EGITO ERA NEGRO, VEJAM O TESTE DE DNA DO REI TUTANCAMON, EUROPEU PURO! BASTA IR NO GOOGLE E PROCURAR KING TUT DNA TEST! CHEGA DE ACHISMO! CHEGA DE AFRO RADICAIS MENTIROSOS! A CIÊNCIA PROVOU!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, você é lamentavelmente ignorante, em todos os sentidos. Recomendo mais cuidado com suas referências e com o que você toma como expressão da verdade.
      Mesmo as tais "provas científicas" estão sujeitas aos jogos de poder (não se esqueça de que Hitler usou a ciência e a História para provar a superioridade ariana e justificar o expansionismo, a exploração e a eliminação).
      Seu conhecimento histórico, geográfico e social são tão rasteiros que mal merecem uma resposta.

      Excluir
    2. obrigado leandro pela sabia resposta como toda maldade praticada contra um povo nos dias de hoje querem mudar a verdadeira historia e com o comentario feito por Unknown um cidadao que nao tem coragem de usar o nome em uma pesquisa seria

      Excluir
  15. Interessante é que , na ultima foto , diz a legenda : " Um belo retrato do rei, com pele morena escura, aparece na parede, El-Kurru, Sudão " . Então o homem que segura a lâmpada não é negro , é um euroasiático moreno ne , pode ser um alemão bronzeado ?! Ai meu Deus , rachei !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade é um alemão legítimo caucasiano de pele negra. No atual Egito està repleto desse tipo. Kkkkkkk

      Excluir
  16. Estudando a filosofia dos Mestres Ascensionados, eles dizem que os primeiros habitantes da Terra, eram de cor violeta. Isto é, tão negros que eram violeta. Ainda tem país na África, que seus negros são de cor violeta. Eu vi alguns deles (não me lembro de que país), na Argentina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. voce deve estar referindo a borboletas primeiros habitantes nao tem como relatar pois nao tem artefatos para tal coisa estamos no egito

      Excluir
  17. Estudando a filosofia dos Mestres Ascensionados, eles dizem que os primeiros habitantes da Terra, eram de cor violeta. Isto é, tão negros que eram violeta. Ainda tem país na África, que seus negros são de cor violeta. Eu vi alguns deles (não me lembro de que país), na Argentina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. Podem ser de todas as cores, menos negro. Racismo doentio e cego.

      Excluir
  18. Os antigos egípcios eram negros. Etíopes também foram Faraós em Khemet. Etíopes são israelitas e já estão migrando para Israel. Moisés casou com mulher etíope. Toda África é conhecida como Etiópia inclusive a rainha de Sabá.

    ResponderExcluir
  19. Faraó Negro, essa é boa, até parece que os Egípcios Antigos eram brancos kkkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  20. Faraó Negro, essa é boa, até parece que os Egípcios Antigos eram brancos kkkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  21. O senhor JESUS CRISTO disse conheceis a verdade e a verdade vos libertara.

    ResponderExcluir
  22. Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  23. valeu apenas ler esta matéria, força.

    ResponderExcluir
  24. Excelente matéria... Verídica incontestável parabéns as críticas esses são apenas crianças querem aprender infectados

    ResponderExcluir