sexta-feira, 12 de março de 2010

Shonas

Estabeleceram-se no Zimbabwe e sul de Moçambique no primeiro milênio A.D..




Shona coletivamente é o nome dado a diversos grupos de pessoas no Zimbabwe e sul de Moçambique. Cerca de nove milhões de pessoas, que falam uma série de dialetos relacionados cuja forma normalizada é também conhecida como Shona (Bantu).

O termo Shona foi criado por volta de 1920, significa abetshona " os de lá " foi popularmente utilizado durante os tempos coloniais. Foi introduzido para identificar alguns grupos de pessoas que anteriormente se chamavam de Karanga.

História

Os antepassados dos Shonas estabeleceram no Zimbabwe e sul de Moçambique no primeiro milênio A.D..

Embora os Shonas fossem organizados, na maioria das vezes, em pequenas chefias independentes, de tempo ao tempo durante o curso da sua história, os conglomerados de chefias foram unidos em estados maiores. Controle do comércio de ouro e marfim com os árabes e Portugueses no litoral constituía um motivo e tanto um suporte para os governantes políticos para expandir as suas esferas de influência. A partir do século XII, técnicas de muros de pedra seca foram desenvolvidas pelos Karangas no sul, que, com a formação dos grandes Estados, construíram uma série de edifícios de pedra de grandes dimensões.

Reinos

Ruínas do Grande Zimbabué

Esses estados incluem o estado do Grande Zimbabué (século 12 à 16), O Estado Torwa Munhumutapa, bem como o estado Rozvi que sucedeu ao Estado Torwa e no século 19 o estado Mutapa.

Os Karangas do Estado Mutapa entraram uma série de guerras civis que depois do século 16, geraram o seu declínio e posterior dominação para os Portugueses.

Os reinos foram destruídos por novos grupos que se deslocam para o planalto. Os Ndebele destruiram o estado Rozvi na década de 1830 e os Portugueses o Estado Mutapa. Em Moçambique, o governo colonial Português lutou com o que restou do estado Mutapa até 1902. Os Karangas foram renomeados Shona com o maior grupo no sul restante com o nome.




O Shonas eram tradicionalmente agricultores que cultivam feijão, amendoim, milho, abóboras, e batata doce.

A partir do século XIX, os Shonas migraram para trabalhar nas minas da África do Sul. Após a ocupação colonial da Rodésia do Sul, o emprego tornou-se disponível no país, em fazendas e minas, em especial nas cidades de crescimento industrial. Alguns grupos foram transferidos de suas terras para abrir caminho para que elas fossem cultivadas por colonos.

A educação foi introduzida por diferentes grupos de missionários, que também estabeleceram hospitais e diversas formas de treinamento técnico, incluindo a formação em agricultura melhorada. Estes serviços foram posteriormente retomados e ampliados pelo governo.

Língua

Chixona ou chichona, ou simplesmente xona ou chona em português (ChiShona em outras línguas) é o nome dado a um grupo de línguas africanas faladas principalmente na metade norte do Zimbabwe (por exemplo nas províncias de Mashonaland Central, Mashonaland Este e Mashonaland Oeste, cujos nomes referem os seus falantes), no leste da Zâmbia e nas províncias de Manica, Tete e Sofala de Moçambique.

Esta língua pertence à família das línguas bantas e é falada por um número de pessoas da ordem dos dez milhões (como primeira ou segunda língua). Este grupo de línguas é aparentado aos grupos Nguni, xiChope, seTswana Tswa-Ronga e xiVenda, todas importantes línguas na sub-região.

A língua shona propriamente dita é dominante no Zimbabwe e é ensinada nas escolas, embora não seja uma língua oficial. Outras línguas deste grupo são o xiManyka, a principal língua da província de Manica em Moçambique e da de Manicaland, no Zimbabwe e o xiNdau, uma das línguas da província de Sofala.

Religião


Curandeiro Shona

Os Shonas acreditam em dois tipos de espíritos - espíritos Shave Vadzimu e os espíritos que são considerados espíritos ancestrais. Também acreditam em espíritos bons e maus, os maus espíritos têm a ver com bruxaria, enquanto o bom humor pode inspirar talentos individuais, juntamente com a cura, a música ou a habilidade artística. Eles usam feitiçaria e danças tradicionais para chamar os espíritos de seus antepassados.

Arte


Escultura Shona

Nas esculturas os Shonas expressam as relações fundamentais entre as duas forças motrizes da vida Shona, sendo este o mundo visível físico e o mundo espiritual invisível que existe em várias culturas. Os escultores acreditam que cada pedra contém uma essência espiritual que influencia a forma como a pedra vai ser moldada e transformada em escultura.


Escultura Shona

As esculturas de pedra produzidas por esses artistas mostram grande individualidade de forma e conteúdo. A arte é extremamente sedutora e bela, com cada pedra contendo cores ricas e texturas que convidam a explorar e tocar visualmente, emocionalmente, fisicamente e intelectualmente.

Fontes: www.everyculture.com / Wikipédia / www.buzzle.com
Tradução e Edição: Valter Pitta


Leia também!

► As Origens da cultura do Zimbábue

► Monomotapa: O Reino do Ouro

2 comentários: