quarta-feira, 28 de abril de 2010

História da Nigéria



A região onde fica a Nigéria abrigou, na Antigüidade, uma das mais avançadas civilizações da África Ocidental, a cultura nok (500 a.C. a 200 a.C.). O norte torna-se islâmico a partir do ano 1000, com a civilização kanem, cujos sucessores dominam as rotas comerciais do norte da África.

O Império Kanem-Bornu, dominou a parte norte da Nigéria por mais de 600 anos, prosperando como rota de comércio entre os bárbaros norte-africanos e o povo da floresta.

Ambos os reinos de Oyo, no sudoeste, e Benim, no sudeste, desenvolveram sistemas elaborados de organização política nos séculos XV, XVI e XVII. Ifé e Benim são notas pelas suas grandes obras artísticas em marfim, madeira, bronze e metais.

Os britânicos, em luta com os portugueses pelo controle do tráfico de escravos, conseguem hegemonia sobre o litoral no século XVIII.

No começo do século XIX, Usman dan Fodio reuniu a maior parte das áreas do norte sob o controlo de um império islâmico tendo como centro Sokoto.

Entre os séculos XVII e XIX, comerciantes europeus estabeleceram portos costeiros para o aumento do tráfico de escravos para as Américas. O comércio de commodities substituiu o de escravos no século XIX.

A proibição do comércio escravista, no início do século XIX, não impede a expansão britânica pela bacia do rio Níger. Em 1914, a Nigéria torna-se colônia britânica.

A Companhia Real de Niger foi criada pelo governo britânico em 1886. A Nigéria tornou-se um protetorado britânico em 1901, e uma colônia em 1914. Em resposta ao crescimento do nacionalismo nigeriano ao final da Segunda Guerra Mundial, o governo britânico iniciou um processo de transição da colônia para um governo próprio com base federal, concedendo independência total em 1960, tornando-se a Nigéria uma federação de três regiões, cada uma contendo uma parcela de autonomia.

Em 1966, dois golpes sucessivos por diferentes grupos militares deixaram o país sob uma ditadura militar. Os líderes do segundo golpe tentaram aumentar o poder do governo federal, e substituíram os governos regionais por 12 governos estaduais. Os ibos, grupo dominante etnicamente na região leste, declararam independência como a República do Biafra em 1967, iniciando uma sangrenta guerra civil que terminou com sua derrota.

Em 1975, um golpe pacífico levou Murtala Ramat Mohammed ao poder, que prometeu um retorno ao estado civil. Entretanto, ele foi morto em seguida, tendo como sucessor Olusegun Obasanjo. Uma nova constituição foi promulgada em 1977, e eleições foram realizadas em 1979, sendo ganhas por Shehu Shagari.

A Nigéria retornou ao governo militar em 1983, através de um golpe que estabeleceu o Supremo Conselho Militar como o novo órgão regulamentador do país. Depois das eleições de 1993, que foram canceladas pelo governo militar, o general Sani Abacha subiu ao poder. Quando ele morreu subitamente em 1998, Abdulsalami Abubakar tornou-se o líder do SMC, agora conhecido como o Conselho Provisório de Regulamentação. Ele anulou a suspensão da constituição de 1979 e, em 1999, a Nigéria elegeu Olusegun Obasanjo como presidente nas suas primeiras eleições em 16 anos. Obasanjo e seu partido também ganharam as turbulentas eleições de 2003.

Diversidade étnica

A Nigéria tem uma estimativa de mais de 250 grupos étnicos. Quase todas as raças nativas na África são representadas na Nigéria, o que explica conseqüentemente as grandes diversidades do seu povo e da sua cultura. Foi na Nigéria que os povos bantos e semibantos, migrando da África Austral e Central, se cruzaram com os sudaneses. Grupos posteriores, outros como Shuwa-árabes, o Tuaregues, e o Fulanis.

A Nigéria é um país multiétnico e culturalmente diverso. As três principais etnias são Hauçá, Igbo e Iorubá. Foram identificados mais de 374 idiomas na Nigéria.

Idiomas

Os Principais idiomas locais são: o Hauçá, Igbo, Ioruba.
Os demais idiomas: Edo, Tiv, Kanuri, Urhobo, Fulfude, Ibibio, Efik, Itsekiri, Nupe, Jukun e Ijaw. O pidgin English (crioulo inglês) que é um híbrido do inglês e do jargão local também é usado amplamente.

Arte & Cultura

As Artes e Cultura da Nigéria são tão variadas quanto os 374 grupos lingüísticos no país. A cultura da Nigéria é rica em tradições orais, filosofia, ritos e rituais; dança, música, moda e artes cênicas. Parte dos aspectos mais visíveis da herança cultural da Nigéria inclui o modo de vestir dos vários grupos lingüísticos que variam de roupas longas trabalhadas a panos amarrados na cintura e camisas vestidas por cima, até panos amarrados na parte inferior do corpo acompanhados na cabeça por lenços de vários tamanhos, formas e cores.

Artes




As obras em bronze; madeira e esculturas em marfim; cerâmica, peças em terracota (da cultura Nok), as obras de ferro e muitas outras podem ser encontradas em galerias populares e museus ao redor do mundo. As demais são obras em prata e couro, tecelagem de tecidos e cabaças trabalhadas e enfeitadas. Descobertas arqueológicas da Cultura Nok indicam que a herança cultural da Nigéria data-se de mais de 2.000 anos.

Música

As várias formas da música tradicional florescem na Nigéria junto com as formas modernas tais como Afro-Beat, Juju, High-life e Pop, etc. Muitos músicos usam instrumentos tradicionais enquanto os demais misturam os instrumentos tradicionais com os modernos em uma nova tendência.

Religiões e festivais

Profundamente enraizadas na cultura, as religiões tradicionais têm os rituais ligados a eles. Alguns rituais específicos são tão populares que se metamorfosearam em festivais, alguns se tornaram atrações turísticas. O festival de Oxum de Oshogbo é um exemplo de tais atrações.

Fontes: Wikipédia / Portal São Francisco


Leia também!

► Civilização Nok

► Civilização Ioruba

4 comentários:

  1. hum essse pais e muito legal eu estou estudado sobre ele na feria de conhecimento na minha escola :joaquim tavora em recife-caxanga esssa escola é muito legal!!

    ResponderExcluir
  2. legal me ajudou muito eu estou fazendo um trabalho sobre ele com certeza eu vou tira 10 obrigada

    ResponderExcluir
  3. Hoje o movimento islaminta boko haran está dizimando o nordeste da Nigéria, infelizmente.

    ResponderExcluir