terça-feira, 15 de junho de 2010

Reino de Napata

Napata foi uma cidade-estado, na margem oeste do rio Nilo, cerca de 400 km ao norte de Cartum, capital da Sudão.


Ruínas da cidade de Napata, Sudão.

Napata é uma antiga cidade na margem ocidental do rio Nilo, na Núbia, a região do vale do rio Nilo que actualmente é partilhada pelo Egipto e pelo Sudão, a cerca de 300 km a norte de Cartum. Foi construída por volta de 1450 a.C. pelo faraó egípcio Thutmose III, perto da montanha sagrada de Gebel Barkal, que fixava o limite sul do seu império.

Cerca de 300 anos mais tarde, Napata tornou-se a capital de um reino núbio independente, o reino de Kush.

A ascensão de Napata

Desde época das dinastias, os egípcios tinham sido interessado em Núbia, uma região muito rica em ouro. Os egípcios logo controlaram comércio, de modo que o Egito se tornou uma potência imperialista na Núbia. Com o passar do tempo os hábitos e a religião egípcia se espalharam pela Núbia.

Em 1075 aC, o Sumo Sacerdote de Amon em Tebas, capital do antigo Egito, tornou-se poderoso o suficiente para limitar o poder do faraó somente sobre o Alto Egito. Este foi o início do Terceiro Período Intermediário (1075 aC-664 aC). A fragmentação do poder no Egito permitiu que os núbios recuperassem a autonomia. Eles fundaram um novo reino, Kush, centrado em Napata.


Colar Napata feito de ouro. Está inscrito com hieróglifos egípcios.

Eles começaram a explorar ouro para seu próprio benefício. O crescimento econômico de Kush atraiu alguns egípcios, que deixaram seu país, que estava passando por vários problemas políticos, incluindo o poder da Líbia em parte do Baixo Egipto, a subdivisão do Egito e a fragmentação do mesmo em pequenos reinos, e ameaça da conquista Assíria.

Reis de Napata e a conquista do Egito

Em 750 aC, Napata foi uma cidade desenvolvida, enquanto o Egito ainda estava sofrendo de instabilidade política. O Rei Kashta atacou o Alto Egito. Sua política foi seguida por seus sucessores Piye e Shabaka (721-707 aC), que finalmente trouxe todo o Vale do Nilo para o controle Kush no segundo ano do seu reinado. Shabaka também lançou uma política de construção de monumentos, no Egito e Núbia. Em geral, os reis de Kush governaram o Alto Egito durante cerca de um século e todo o Egito por cerca de 57 anos.

Por volta de 670 aC, o rei assírio Esar-Hadom (681-669 aC), conquistou o Baixo Egito, mas permitiu a autonomia do Baixo Egito, a fim de alistar-los como seus aliados contra os governantes de Kush no Alto Egito. O rei de Kush, Taharqa convenceu alguns governantes do Baixo Egito a romper com os assírios. No entanto, os assírios conseguiram uma coligação alimentada através do acordo do qual eles trariam os dirigentes egípcios que tinham sido deportados para sua capital, Nínive. Os assírios designaram o chefe líbio Neco, que controlava Memphis e Sais. Neco I foi o primeiro rei do Sais da Vigésima sexta dinastia(664 aC-525 aC) do Egito Antigo. Um novo Rei de Kush Tantamani (664-653 aC), matou-o no mesmo ano em que Taharqa morreu, em 664 aC, quando Tantamani invadiu o Baixo Egito. No entanto, Tantamani foi incapaz de derrotar os assírios que apoiaram o filho de Neco I, Psammetichus. Tantamani abandonou sua tentativa de conquistar o Baixo Egito e retirou-se para Napata. No entanto, sua autoridade sobre o Alto Egito foi reconhecida até o ano 8 do seu reinado em Tebas (656 aC), quando Psammetichus enviou uma frota naval para o Alto Egito e conseguiu colocar todo o Egito sob seu controle.

De volta a Napata, os Kushitas tornaram-se interessados apenas no desenvolvimento de seu próprio reino, que não sofreu nenhuma conquista, resistindo à política expansionista dos assírios, babilônios, persas e gregos, que sucessivamente, invadiram o Egito.

Civilização de Napata

Napata começou atingindo seu auge após Tantamani ter voltado da guerra contra os assírios. Sua economia era essencialmente baseada no ouro. O Egito era um aliado econômico importante. Em 660 aC, os Nubios começaram a explorar ouro, inaugurando o a Idade do Ferro Africana.


Os últimos pilares de pé do templo de Amon, de Jebel Barkal.

O povo de Napata foi culturalmente semelhante aos egípcios. Pinturas Napatas e outras formas artísticas e culturais eram em estilo egípcio. Costumes funerários egípcios eram praticados e vários deuses egípcios eram adorados. Além disso, o deus mais importante era Amon, a divindade de Tebas, o templo era o mais importante em Napata, situado no sopé de Jebel Barkal, a montanha sagrada dos núbios.

A queda de Napata

Cerca de 300 aC, os sentimentos anti-egípcios motivam o povo de Napata para fazer sua cultura distinta da dos egípcios. Além disso, a capital estava sofrendo politicamente e economicamente também: Napata perdeu sua influência econômica desde os egípcios. Além disso, uma poderosa incursão persa assolara Napata em 591 aC. Finalmente, Napata foi perdeu o seu papel de capital econômica para Meroé. A ilha de Meroe, era uma região rica em ferro, que estava se tornando uma fonte essencial de riqueza.

Meroe viria a ser a capital do reino de Kush, levando Napata ao abandono. Em 23 aC, o prefeito romano do Egito, invadiu o reino após um ataque inicial, a rainha de Meroe, arrasando Napata. Em " Os Feitos do Divino Augusto ", Augusto afirma: “que a penetração foi feita através da cidade de Napata, que fica ao lado Meroe ...”. Em 350, Natapa foi dominada pelos axumitas.

Fonte: Wikipédia
Tradução e Edição: Valter Pitta

2 comentários:

  1. estou em Salvador,mas é como estiesse com calígula embriagando-me com o inho do saber.

    ResponderExcluir